Arte: Renato Gomes/FM 93

A infância é tida como a melhor época da vida para muitas pessoas. Com a chegada do Dia das Crianças, nesta quinta-feira (2), nós da FM 93 propomos aos nossos locutores voltar na memória para essa fase tão querida. O resultado foi momentos engraçados e marcantes.

A radialista Samantha Marques conta que a lembrança mais forte que tem da infância é a de quando ia à fazenda do avô e gostava de ficar o tempo todo com os porquinhos da família. “Meu avô criava uns porquinhos lindos, gordinhos, e eu queria ficar com eles o tempo todo. Minha mãe não conseguia me tirar de lá, aí as visitas chegavam e perguntavam por quê eu gostava tanto de ir para lá, e ela não sabia o motivo. Assim que eu acordava, já corria para ficar com os porquinhos”, relembra.

Leyla Diógenes conta que muita coisa marcou sua infância porque ela era uma menina que curtia muito a vida. “Subia em pé de planta, brincava de pega-pega, fazia tudo que uma criança sapeca faz”, diz.

Os bailinhos de Carnaval também fizeram parte do passado da apresentadora, que ia sempre para a folia com uma fantasia diferente confeccionada pela mãe. “Ela me vestia toda enfeitadinha, fazia as roupinhas de Carnaval”.

Outros dois episódios estão nas lembranças de Leyla: quando ela subiu no telhado durante uma chuva e saiu escondida com o jumento do avô, junto com os primos. Ouça:

Se Leyla ganha os palcos do teatro atualmente, na infância era Wagner Venturini quem se arriscava ser o centro das atenções durante uma apresentação. O companheiro das tardes da morena costumava fazer “shows” para os amigos na janela de casa. “Virou hábito da rua. Uma vez passou a professora e no outro dia ela comentou na sala de aula, fiquei morrendo de vergonha. Não sabia da proporção que isso estava tomando”, conta aos risos.

Escute Wagner Venturini

Desde pequena com espírito de apresentadora, Márcia Santos conta que é a caçula de sete irmãos e sua brincadeira favorita era juntar todos para brincar de programa de auditório. “Eu subia em um banquinho, pegava um cabo de vassoura da minha mãe e fazia de conta que era apresentadora e meus irmãos os convidados. Eles cantavam, dançavam, faziam imitações… E o melhor, faziam até os efeitos especiais, os aplausos da plateia e vinhetas de abertura e encerramento. Era muito divertido!”, relembra a locutora.

Já na casa de Loy Filho, a festa em família era um acontecimento frequente. Com sete irmãos, o locutor recorda que os pais levavam as comemorações de aniversário como um compromisso sério, o que fazia com que durante quase todo ano houvesse celebração. Em dezembro, os encontros aumentavam bastante, como ele explica:

Tony Nunes só tem boas lembranças de quando era criança. O apresentador morava no campo e sua rotina era beber leite de vaca, tomar banho de rio e cuidar do gado. “Uma infância inesquecível”, define Tony.